sexta-feira, 29 de julho de 2011

Cestas Orgânicas = Quer Receber!!!???



terça-feira, 19 de julho de 2011

Fotos Salao do Turismo - Stand COAGRIS - Mercado da Agricultura Familiar














sexta-feira, 27 de maio de 2011

Virada Sustentável - São Paulo (Plataforma Sinergia)

video

Pesquisa demonstra perigo no consumo de hidropônicos

Pesquisa demonstra perigo no consumo de hidropônicos

Pesquisa recente conclui que o teor de nitrato nas folhas de alface é maior no cultivo hidropônico que no convencional, sendo que o cultivo orgânico apresenta a menor taxa de concentraçào de nitrato. Isto devido ao uso de fertilizantes com baixo teor de nitrogênio, como esterco bovino e vermicomposto. A pesquisa conduzida por pesquisadores do IAPAR (MIYAZAWA et. al., 2001) mostra que alfaces cultivadas em sistema hidropônico apresentam um teor de nitrato extremamente elevado: 70% das amostras tinham entre 6.000 a 12.000 mg/kg e apenas 3% das amostras tinham teor inferior a 3.000 mg/kg. Nesse cultivo, o fertilizante nitrogenado é fornecido nas formas nítrica e amoniacal facilmente absorvidos pela raiz em quantidades muito acima da capacidade da planta assimilar, acumulando, assim, o excedente no tecido vegetal. No organismo humano, o nitrato ingerido passa à
corrente sangüínea podendo reduzir-se a nitritos que são ainda mais venenosos. Quando combinados com aminas, formam as nitrosaminas, substâncias cancerígenas, mutagênicas e teratogênicas. O monitoramento dessas substâncias é essencial para garantir a qualidade dos alimentos. De acordo com a FAO, o índice de máxima ingestão diária admissível (IDA), de nitrato é de 5 mg/kg de peso vivo e, 0,2 mg/kg, para o nitrato. A ingestão admissível para uma pessoa de 70 kg seria de 350 mg de nitrato por dia. Assim, se considerarmos que quatro cabeças de alface pesam aproximadamente 1 kg e tem em média 160 folhas, concluí-se que uma pessoa de 70 kg comendo entre 4 e 9 folhas de alface hidropônica por dia, já estará atingindo a dose diária máxima de nitrato permitida. No caso de crianças, a quantidade de folhas ingeridas é proporcionalmente menor. Esta mesma pessoa poderia
comer em média mais de 50 folhas de alface produzida no sistema orgânico, para atingir o mesmo nível de nitrato. Sendo assim, o consumo de alface cultivadas no sistema hidropônico deve ser cauteloso, pois pode trazer riscos à saúde humana. 

segunda-feira, 25 de abril de 2011

AGROECOLOGIA - o poder de transformar famílias

Apesar de a agroecologia ser geralmente vinculada à produção em pequena escala, grandes empresas agro-alimentares também podem desenvolver a agroecologia, mas neste caso, essas empresas terão de deixar o lucro como um fator secundário, priorizando a qualidade alimentar e o pagamento justo a seus funcionários.
A agroecologia pode também contribuir para a geração de mão-de-obra especializada e para a inclusão social, pois exige mais conhecimento e trabalho, uma vez que a mecanização da produção é menor, e porque desenvolve diversas práticas conjuntas, como cadeias de comercialização, associações, cooperativas etc.
“A agroecologia não é apenas um sistema de produção agrícola, mas também um ato político contra a agricultura predatória e contra as condições de trabalho injustas para o agricultor. Além disso, ajuda na melhoria da qualidade de vida, permitindo tanto ao agricultor quanto ao consumidor não terem contato com fertilizantes e pesticidas. Enfim, mais que uma série de práticas, a agroecologia é uma filosofia de vida”, Nodari.
*Publicado originalmente no site do Instituto CarbonoBrasil.

domingo, 17 de outubro de 2010

A produção de alimentos orgânicos

Alimentos que evitam o envelhecimento no programa OLGA BONGIOVANNI

O benefício dos alimentos orgânicos - Programa OLGA BONGIOVANNI

Alimentos Orgânicos

Agricultura Orgânica de Alto Valor Nutritivo